quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

TANIA TAVARES


Aptidão

A cada dia que passa, fica patente no governo Lula, que vários ministros não estão preparados para os cargos que ocupam, ao confundirem fanatísmo ideológico de esquerda como profissionalismo, que situações vivenciadas necessitam.
O resultado disto são as situações como: Batistti, Honduras, Ahmadinejad,Sean,Daniel Dantas, Apagão,Anistia, Confecom, Enem, etc... que vão tirando a credibilidade do País à medida que nos conhecem, tanto aqui como lá fora.
Espero que 2010 não seja de campanhas mentirosas e requentadas, apenas para defender esta ideologia e seus cargos. Feliz Ano Novo!!!

Tania Tavares
Rua Cel. Oscar Porto, 1.091
04003-005 São Paulo-SP
RG: 4.338.909

SONETO DA PALAVRA SEM FLOR


SONETO DA PALAVRA SEM FLOR

Neste momento de silêncio
já não ouço palavras
só as penso, caladas,
levadas ao vento.

Falaria sem dúvida
tanta coisa escondida
tanta coisa perdida
tanta coisa da vida.

Mas o silêncio da voz
deixa o grito da mente
cada minuto mais só.

E assim se faz pó
a palavra que calo
só penso e não falo.

alaorpoeta/TELA:salvador dali

POEMA PARA EVERI CARRARA


“Chavva”

Adriana Manarelli



Catapultas escarlates

lançam-na no espaço
cor-de-aço_

Sem fim, sem fundo,
circular

Co’o esporas e amuletos-algemas.

Inanimadas sílabas
E Sombras prolongadas.

Desorbitada

Canta na neve.

Carótida de areia,

Esfera intocada,

Sibila selada,

Nas dunas indeléveis.

Presa nas malhas

De Eva

Com pés de estanho_

Do lodo se debate

A inflorescência.

Estúpidos brocados

Na abóboda de piche,

Quando as milícias

Vestem-na de miosótis

E os pulmões se revestem de chumbo.


Araçatuba, de 25/12/09, sexta-feira, Natal

aos 28/12/09,segunda-feira.

GENESIS - FOXTROT


GENESIS – FOXTROT

Pessoal, este mês, o álbum analisado é o Foxtrot, o que não é tarefa facial, pois é um trabalho carregado de genialidade em todos os aspectos. Se algum dia o ser humano não habitar mais o planeta Terra e por essas bandas aparecerem extraterrestres ou deuses que não nos conheceram e escutarem esse trabalho, dirão o seguinte: “Ah, então, eles eram assim!”. Tal é a variedade de aspectos do comportamento humano que esse disco aborda, questões como religiosidade, mitologia, história, literatura, sociologia, filosofia, ironia, cultura POP... Fora a concepção musical, que também é algo de outro mundo. Sempre digo para ouvintes iniciantes de rock progressivo que se você quiser saber o que é um disco progressivo perfeito, escute o Foxtrot do Genesis , ali você beberá direto da fonte. Genialidade não tem a ver com idade, mas sim com amadurecimento espiritual, porém sempre fico abismado de como esses garotos, com 22 anos apenas, conseguiram criar algo tão complexo e profundo. As questões abordadas nesse disco são tão delicadas que somente pessoas amadurecidas, vividas, experientes podem compreender ou conceber. É quase humanamente impossível um garoto abordar elementos tão complexos de forma tão brilhante como se vê aqui.

Após uma estréia não tão boa, com problemas de formação, e dois discos excelentes, a banda estabelece uma constituição definitiva que conta com Peter Gabriel, Phil Collins, Tony Banks, Mike Rutherford e Steve Hackett. A formação clássica e inesquecível do Genesis. Todos estão maravilhosos e inspiradíssimos. As letras, arranjos e os timbres sonoros são excepcionais, nada está fora do lugar. Vamos às músicas.

WATCHER OF THE SKIES

O disco começa de forma muito intrigante. Apenas o mellotron cria uma atmosfera de história de ficção científica para um conto de Isaac Asimov ou Phillip K. Dick. Aos poucos, lá do fundo ouve-se se sobressair um baixo acentuado e um trabalho de pratos, juntando-se a isso a guitarra. Até que tudo estoura com uma voz maravilhosa nos contando a história de um observador dos céus ( na minha opinião é um deus ), que chega à Terra após a extinção dos humanos. Letra sensacional, poética, moderna e visionária! O que muitos tentaram infrutiferamente expressar sobre esse gênero em poesia, o Genesis conseguiu. A música continua em evolução e o baixão Rickenbaker sola alto. Peter Gabriel, magistralmente, desenvolve várias nuances para esse narrador, alternando tons. Variações se sucedem entre coral, teclado, guitarra, baixo e bateria. A melodia é envolvente demais! O final da letra é de arrepiar:

Sadly now your thoughts
Turn to the stars
Where we have gone you know you never can go
Watcher of the skies watcher of all
This is your fate alone, this fate is your own

Um só coro informa o destino eterno do ser divino, observar sem interferir, solitariamente. Tudo acaba como começou, entretanto a carga dramática da história já nos leva a um outro sentimento em relação ao solo final do mellotron com a guitarra, agora já não sentimos mais só curiosidade, mas tristeza e reflexão. Nossa Senhora! Que introdução para um disco.

TIME TABLE

Piano destacado e instrumentação em harmonia introduzem esta calma canção que nos remete à Idade Média. Só que a abordagem dela é, para dizer o mínimo, genial. Aqui o cavaleiro medieval faz uma reflexão sobre o sentido da vida! Por acaso aí alguém já viu coisa parecida em uma música ?

Why, why
Can we never be sure till we die
Or have killed for an answer
Why, why, do we suffer each race to believe
That no race has been grander
It seems because through time and space
Though names may change
Each face retains the mark it wore

Tempo, espaço, destino, igualdade racial…são reflexões do cavaleiro. E quem disse que cavaleiros medievais não eram humanos? A melodia extremamente agradável nos embala e acalma. Lindo!

GET'EM OUT BY FRIDAY

Uma combinação perfeita entre teclado, baixo e guitarra introduz esta história irônica, contemporânea e de conteúdo social. Conta-nos a dificuldade de uma família em permanecer em sua habitação atual por conta do capitalismo. Um parêntese para a bateria que é destruidora! O vocalista empresta toda a sua versatilidade e talento para criar diversos personagens envolvidos na história, várias atmosferas originais e belas, ora acelerando ora diminuindo o ritmo sonoro, a fim de acompanhar o humor e a humildade dos envolvidos. Steve Hackett e Tony Banks soberbos nas variações. Finalmente chega a flauta transversal, que era só o que faltava. E o Rutherford provando que é um dos maiores baixistas de sua geração.

Ironia e sarcasmo na medida certa de uma crítica mordaz.

It's said now that people will be shorter in height
They can fit twice as many in the same building site
(they say it's alright)

Quanto menores as pessoas, mais espaço nas construções para aluguel!

MEMO FROM SATIN PETER
OF ROCK DEVELOPMENTS LTD.


With land in your hand you'll be happy on earth
Then invest in the Church for your heaven.

Já que na Terra tá difícil, um lugarzinho no céu é garantido!

Música toda quebrada, variada e complexa. Todos os cinco demonstrando extremo virtuosismo e entrosamento. Essa é um soco no estômago!

CAN-UTILITY AND THE COASTLINERS

Um dedilhado de violão inicia esta canção falando sobre navegadores que encontram um livro, o qual conta uma história sobre um ser que, aparentemente, seduz uma população. Novamente, extremamente criativos e entrosados, os músicos nos brindam com um show de harmonia e beleza sonora. Até que a música dá uma parada, dois violões seguem o mesmo e ritmo, a bateria acompanha, e é a vez dos teclados viajarem. O som ganha peso e o baixo enlouquece. A guitarra sola com a competência costumeira e a canção termina abruptamente, porém antes dá umas quebradas e variadas só para não perder o costume.

HORIZONS

Música instrumental só no violão, bela e cativante, a cara do Genesis! Steve Hackett demonstra também ser um grande violinista clássico além de tudo. Que linda música!

SUPPER'S READY

Como toda grande suíte, Supper’s Ready é dividida em partes. Cada parte compõe uma história individual que, ligada às outras, constitui um todo. Já quero adiantar, para não ficar comentando o tempo todo a mesma coisa, que nesta música espetacular tudo, mas absolutamente tudo, está sensacional. Todas as variações, solos, acompanhamentos, nuances vocais, quebras de ritmos, passagens...transcendem ao que entendemos por originalidade, competência e emoção. Neste momento, estamos tratando de uma composição que nos coloca em um plano de percepção que eu não consigo descrever em palavras. De qualquer maneira, vou tentar dar a minha contribuição.

Lover’s Leap

A canção inicia de forma acústica, com os instrumentos acompanhando a história de um casal que, em uma noite qualquer, percebe algo diferente em seus olhares. Os vocais afiadíssimos de Mr. Gabriel e Mr. Collins dão o tom. Climão construído pelos instrumentos de sempre mais a flauta transversa entremeado pelo belo coral.

The Guaranteed Eternal Sanctuary Man

O tal casal parece transportar-se de casa para uma outra realidade ou percepção, agora encontram-se frente a dois homens, um é fazendeiro e o outro uma espécie de cientista. A música torna-se empolgante com o teclado ditando o ritmo. A bateria insinuante carrega a cozinha. E a guitarra nos brinda com lindos efeitos. Até que tudo pára e a flauta introduz vozes de crianças, aparentemente referindo-se... ao demônio?

Ikhnaton and Itsacon and Their Band of Merry Men

Então os amantes deparam-se com soldados negros que preparam-se para uma batalha. Agora a música tem uma grande variação, teclado, bateria e guitarra solam enquanto o narrador continua a sua história. As coisas vão se acalmando aos poucos até que permanece só o teclado em alerta.

How Dare I Be So Beautiful?

Ao som do teclado, o vocal nos relata o fim da batalha e a chegada do casal a um campo verdejante onde encontram a figura mitológica de Narciso. Presenciam uma estranha mutação no rapaz, ele transforma-se em uma flor.

Willow Farm

Neste momento, a música acelera e vira uma espécie som animando um parque de diversões criado por Lewis Carroll, cheio de aberrações!

Até que tudo muda, e os namorados têm uma visão da rotina de suas vidas terrenas. É muito engraçada e interessante as brincadeiras de vozes diferentes narrando essas peripécias. A trilha sonora disso tudo continua bem singular e divertida.

Apocalypse in 9/8 (co-starring the delicious talents of Gabble Ratchet)

Os sons da guitarra e teclado denunciam que as coisas começam a tomar um outro aspecto, bem mais sério. A flauta transversa, linda, destaca-se, enquanto um dedilhar de violão a acompanha. Os amantes estão de volta à Terra, e bem no momento do Apocalipse, os arautos do demônio já estão a postos esperando a tão aguardada figura para o momento de decisão. O som explode em tensão e a progressão dos teclados com a bateria é simplesmente inexplicável para mim! Só ouvindo!

666 is no longer alone
He's getting out the marrow in your back bone
And the seven trumpets blowing sweet rock and roll
Gonna blow right down inside your soul.

É, meu amigo, o negócio pega fogo!!!

As Sure as Eggs is Eggs (aching men's feet)

Quando parecia tudo perdido, ouve-se um som de sino e o rufar de tambores, a música torna-se emocionante e o narrador descreve a chegada de um anjo que salva os humanos.

There's an angel standing in the sun
And he's crying with a loud voice
"This is the supper of the mighty one"
Lord Of Lords
King of Kings
Has returned to lead his children home
To take them to the new Jerusalem.

Neste momento é muito difícil segurar as lágrimas. A música acaba de forma absolutamente ESPETACULAR!!!
Pessoal, esta é a minha análise, espero que vocês gostem, pois, desta vez, me deu bastante trabalho. Gostaria de ler a opinião de todos sobre esse disco maravilhoso que mora no coração de todos nós!
Um abraço a todos! JORGE ALENCAR

WALDO LUIS VIANA


O MANSO TRUQUE DE AÉCIO NEVES

“São Paulo não tem horizonte,
simplesmente não tem horizonte. Ou por outra: o horizonte paulista
está a cinco metros do sujeito e é uma parede.”
Nélson Rodrigues

Waldo Luís Viana*

Aécio Neves é mineiro e, por isso mesmo, atavicamente teatral. Desistiu, num gesto bissexto, da pré-candidatura à presidência da República. Já a candidatura mesma é outra coisa. E ser presidente no Brasil significa ter sorte e destino, não é mera questão de estratégia ou quantificação eleitoral. A mineiridade é sóbria e não permite erros. Uma mansidão calculada, que poucos conhecem ou compreendem. Ela concede aos sofismas, aos adiamentos, adula sem pressa as mentiras táticas, mas jamais confere a desistência. E mineiro é hospitaleiro, matreiro, não briga de frente e gosta de bancar o idiota, principalmente diante dos que pensam que são inteligentes.Ao desistir formalmente da “pré-candidatura”, que é uma entidade fantasmagórica, não legitimada pela Justiça Eleitoral, o governador ofereceu, dialética e psicanaliticamente, o espelho ao seu contendor, como se dissesse: “Toma, ó Serra, olhe agora de frente suas reais condições sobre o que tanto deseja!”. E o governador de São Paulo pode ser tudo, menos burro. Sabe que não tem o carisma do nosso atual presidente (também egresso da política paulista, tal como o antecessor, aquele da “herança maldita”), é careca e pouco mercadológico em matéria de mídia nacional e não se livra daquele ar eterno de mordomo de vampiro, que tão bem o caracteriza. Além disso, sabe que Lula tem muita dificuldade de transferir para a sua atual candidata a monumental popularidade de que dispõe, mas concorda em que a máquina lulista é infernal, abarrotada de dinheiro, aqui e no exterior, e é capaz de triturar vivo qualquer adversário. O lulismo, aliás, é acatado por empresários, banqueiros nacionais e internacionais, empreiteiros de obras e detém controle informal sobre as mídias de pesquisas, que fabricam e depõem candidatos ao sabor dos interesses do sistema. E interessa bastante ao sistema que o candidato José Serra seja incensado bem antes, surpreenda como favorito na corrida presidencial, parecendo possuir uma popularidade invulnerável, impossível de não ser desprezada como candidatura exequível às sedentas e jejuantes oposições. Enquanto isso, a candidata do status quo não decola antes, tem rejeição enorme e parece não crescer como desejava o atual presidente. Tudo muito bem arranjado e convincente demais para qualquer um, quanto mais para um mineiro desconfiado.Serra é o preferido, inflado na própria vaidade, a ponto de, num gesto de desprendimento, desistir de uma candidatura tranquila à reeleição em São Paulo, fazendo exatamente o que o sistema quer: sair candidato à presidência, num oba-oba infernal, descendo finalmente do muro para ser fragarosamente derrotado, depois, na eleição maior. Com isso o atual dispositivo de poder ganharia duas vezes: uma possível vaga em São Paulo para o partido oficial e a continuidade do esquema de poder no plano presidencial.Só que o Brasil, feliz ou infelizmente, não é São Paulo, cujo orgulho regional e bairrista é de todos conhecido. São Paulo pode até ser “a locomotiva do país”, mas não é o trem todo. E de trem, quem entende mesmo é Minas Gerais. Minas recusou a derrama e o quinto dos infernos, tendo coragem de conjurar-se no século XVIII. Hoje, temos contra os brasileiros um estado totalitário, que impõe muito mais do que uma derrama e o dobro do quinto dos infernos. E tal como a antiga coroa portuguesa, que levava o ouro, o suor e o sangue da colônia brasileira para financiar seus déficits, o executivo corta o couro da população até o meio do ano, extraindo impostos sem conta para financiar uma orgia de gastos jamais vista, para custeio da máquina pública e do fausto dos “cumpanheiros”. E essa “nova classe” que tomou conta do Brasil, quer continuar pendurada no poder, saqueando o povo brasileiro ainda muito mais...E a sedução por Serra é, por conseguinte, a maior armadilha produzida pelo esquema governamental para autoperpetuar-se nas próximas eleições. Mediante um processo eleitoral eletrônico sem recibo de voto na urna, processo não aceito por dezenas de nações desenvolvidas, vamos para um período eleitoral cansativo, com o insuportável “horário gratuito eleitoral” e mais uma campanha que dividirá o país novamente entre ricos e pobres. Naturalmente os primeiros são da oposição e os últimos, propriedade e objetos de amor do governo que aí está. Dessa forma, nem é preciso disputar eleições, porque no país mais desigual do mundo, os pobres são e permanecerão convenientemente como maioria e massa eterna de manobra. Foi talvez pensando em tudo isso que Aécio Neves, com mansidão mineira, ofereceu o espelho a Serra. Olhe-se bem, candidato, e veja o que está preparado para você, amanhã. As nuvens da política mudam, mas certas leis devem ser compreendidas como fixas, porque pressupõem como se comportam os que conduzem as manadas. O governo quer Serra como candidato, talvez até mais do ele próprio. As razões foram aqui expostas e são quase lineares. Por sua vez, Aécio Neves, provisoriamente saindo do cenário, deixa de se desgastar, num panorama partidário de homens fúteis, que quiseram fazer sangrar Lula em 2005 e acabaram jantados pelo presidente em 2006. 2010, que se avizinha, é, porém, outra história. O governo tem várias cartas na manga e vai utilizá-las todas, a partir de março, porque antes do Carnaval nada se decide neste país, que terá ainda Semana Santa e Copa do Mundo. Aliás, fazer coincidir as eleições gerais com o certame, é sempre uma tentativa de adequar os interesses do sistema aos resultados em outubro que se deseje obter.São Paulo já nos governa há dezesseis anos e sempre foi núcleo dos partidos hegemônicos, que querem mexicanizar a política brasileira, transformando os pleitos presidenciais num mero jogo de compadres. A diferença entre o PT e o PSDB é a mesma entre a Coca e a Pepsi: todo mundo sabe que já não cola. E o predomínio de um Estado da federação sobre os outros nos encaminha perigosamente para uma nação unitária, destruindo de vez uma federação esquálida, com flagrante desequilíbrio entre poderes. Todos sabem, historicamente, onde isso desemboca: em mandonismo, autoritarismo e culto à personalidade, origem e fim de todos os totalitarismos que ensanguentaram o mundo.Aécio Neves prova, com seu manso truque, que quer evoluir além do estágio do espelho, de que falavam Freud, Jung e Lacan. Ao olhar os próprios defeitos e a imensa impossibilidade que o cerca, na imagem refletida, o governador de São Paulo talvez reflita e não caia na armadilha, refluindo para seu Estado para servir à Nação de outro modo.Resta saber se o jogo não é combinado e as cartas marcadas. Se existem mesmo adversários ou todos são mocinhos e todos são bandidos. Quem viver verá. Feliz Ano Novo a todos!
*Waldo Luís Viana é escritor, economista, poeta, é carioca e adora assistir, visto da ponte, o panorama...

Teresópolis, 27 de dezembro de 2009.

DEIA LEAL


NOVO LIVRO DE POESIAS DOS POETAS DO JORNAL ALDRAVA CULTURAL:VENTRE DE MINAS - edição 2009-
Está pronto o novo livro de poesias, VENTRE DE MINAS, dos poetas do Jornal Aldrava Cultural: Gabriel Bicalho, J.B.Donadon-Leal, Andreia Donadon Leal e J.S.Ferreira. Há algum tempo foi concebida a ideia da produção desse livro, com suas quatro vozes poéticas, que passaram à fase da gestação nesse Ventre de Minas. Os diversos modos de os aldravistas forjarem aldravas são postos à disposição do público que, mais uma vez, irá receber um produto resultado de um projeto de incentivo à leitura. A edição se tornou possível depois que a Coordenadora e Idealizado de Projetos Culturais da Associação Aldrava Letras e Artes, Andreia Donadon Leal, venceu o Prêmio VivaLeitura 2009, com o Projeto Poesia Viva - a poesia bate à sua porta, e com o prêmio financiou a publicação. Assim nasce Ventre de Minas: uma proposta de poesia para ser debatida, degustada, desvendada, ao sabor da história de vida de cada leitor. São quatro livros em um. Cada livro um continente metonímico de uma possível particularidade de Minas. As aldravas de Gabriel Bicalho, as batidas nas aldravas de J. B. Donadon-Leal, os frutos da terra de Andreia Donadon Leal e a cidade Mãe de J. S. Ferreira são provocações para leitores disponíveis a descobertas. É por isso que esse livro será distribuído a educadores e a educandos, a pessoas que mesmo não frequentando a escola formal ainda se sentem descobridores de universos, descobridores de mundos, mineradores de minas gerais. (In: Donadon-Leal - 2009)
Diagramação: Gabriel Bicalho
Capa: Deia Leal
Ilustrações: Deia Leal
Autores: Gabriel Bicalho, J.B.Donadon-Leal, Andreia Donadon Leal, J.S.Ferreira.
N° de páginas: 124

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

CERTIFICADO CONFERIDO AO EVERI CARRARA


Este Certificado é conferido ao Poeta
Everi Rudinei Carrara
Em reconhecimento ao seu importante trabalho em prol da Cultura e da Paz em 2009!
São Paulo, 24 de Dezembro de 2009
Elizabeth Misciasci - Jornalista, Humanista, Escritora, Pesquisadora. Presidente do Projeto zaP!
*Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz.
Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France
*Membro Correspondente da Governadoria da InBrasci no Estado de São Paulo- Insti Bras Culturas Internacionais -
*Membro Efetivo AVSPE *Prêmio Frente Nacional dos Direitos da Criança
*Honra ao mérito - Clube Brasileiro da Língua Portuguesa - título Humanista Honoris Causa, em Língua Portuguesa,
em razão da excelência de sua obra a favôr dos Direitos Humanos.
*Delegada para e Estado de São Paulo (Brasil) do CEN- Intercâmbio Brasil Portugal.
*Coordenadora de imprensa do Proyecto Cultural Sur Paulista
55 (XX) 11 9677.9428 e 55 (XX) 11 6461 1907
http://www.eunanet.net/beth/index.php
http://reticencias.blog-se.com.br/blog
http://www.avspe.eti.br/avspe2009/ElizabethMisciasci.htm
http://www.revistazap.org

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

AUTORAMAS


MTV Apresenta AUTORAMAS Desplugado
SHOWS de LANÇAMENTO!

19/12, sábado, SÃO PAULO/SP, no Clash Club
R. Barra Funda, 969 São Paulo. (11) 3661.1500.
O show começa pontualmente às 21 Hs!
R$ 20 com nome na lista
R$ 30 sem nome na lista
www.clashclub.com.br

20/12, domingo, BRASÍLIA/DF, no Blackout ,
Novo espaço na 912 sul
Clube do Cedec (Atrás do Colégio Setor Oeste)
20$ meia,
10$ Antecipado pelo telefone (61) 8447-4654 ou
Na Berlin Discos, Cult Video, GTR
Autoramas + Gramofocas + Os Dinamites + GDC
Agenda completa Autoramas:
Dezembro/2009
19, São Paulo, SP
20, Brasília, Distrito Federal
Janeiro/2010
8, São Luis, Maranhão
15, Goiânia, Goiás
27, Colônia, Alemanha
28, Münster, Alemanha
30, Oberhausen, Alemanha
31, Kassel, Alemanha
Fevereiro/2010
1, Hamburgo, Alemanha
5, Londres, Inglaterra
6, Nottingham, Inglaterra
10, Bordeaux, França
11, Le Mans, França
12, Nantes, França
13, Paris, França
Março/2010
6, Manaus, Amazonas
Baixe o álbum virtual "MTV Apresenta: Autoramas Desplugado" no site da TramaVirtual
http://albumvirtual.trama.uol.com.br/
Download legal e remunerado

Em cd e dvd CD PROMO

www.autoramasrock.com.br
www.myspace.com/autoramas

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

KENARD KRUEL


NOSSO QUERIDO AMIGO E ESCRITOR KENARD KRUEL
lançando mais um livro no PIAUÍ:
história do piauí, livro de autoria de kenard kruel e gervásio santos será lançado quinta-feira, dia 17, às 20 horas, no restaurante nova brisa, na avenida presidente kennedy (teresina) dentro da programação do sarau ágora, organizado pelo poeta joão carvalho (médico).

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

VIDA CULTURAL EM ARAÇATUBA


HISTÓRIA DA VIDA CULTURAL EM ARAÇATUBA/ANOS 80/ CAP. 9

DONA DINA E ASTÉRIO
Em 1989, eu e alguns amigos estávamos nos retirando de Araçatuba novamente, em busca de novos contatos e oportunidades de trabalho. O rumo era SÃO PAULO e cidades satélites da capital. MARCELINO DUARTE (webmaster) já estava por lá, assim como VALDIR CALIXTO (violonista e compositor),MARCOS PEDROSA (saxofonista), JOSE JORGE DA COSTA NETO (poeta,filósofo e professor). São Paulo sempre nos despertava uma imensa curiosidade, mas jamais deixamos de nos orgulhar do jeito interiorano de ser, mesmo não possuindo vestígios de sotaque caipira, como se observa facilmente em outras regiões do estado de São Paulo. Eu me preparava para morar em MAUÁ na companhia da família do professor WEBER. Sabia também que o LUIS ANTONIO FREITAS DE CARVALHO, ( heavy), chegaria em Sampa nos próximos anos,depois de se tornar um ícone da história das revistas em quadrinhos em Araçatuba e região,além de ser figura importante do rock underground em Araçatuba. Nessa época ,reencontrei,pouco de partir, amigos como o ASTÉRIO ALVES FILHO, advogado, e exímio violonista que embora fosse muito introspectivo, para o deleite dos amigos, demonstrava seu talento tocando peças de ISAAC ALBENIZ, TÁRREGA, BACH, GEORGE P. TELLEMAN, JETHRO TULL, entre outros. Uma raridade em nossa cidade.ASTÉRIO era uma referência também em ciências exatas e flauta. Era uma pessoa de caráter exemplar, estudioso, ponderado, culto e sempre prestativo. Mas também marginalizado pela elite acadêmica. Dona Dina era sua mãe, uma mulher nordestina, muito humilde, comunicativa, generosa e sempre orgulhosa do filho cercado por amigos sob as frondosas árvores que cobriam o quintal de terra ao fundo de sua residência. Anos depois, ambos faleceram, no final da década de 90, provocando imensa tristeza em todos nós. ASTÉRIO foi um dos artistas araçatubenses mais inteligentes que conheci, é uma lástima que muitos não o tenham conhecido e sequer o reverenciem.
everi rudinei carrara:jornaltelescopio@gmail.com
foto de araçatuba-praça rui barbosa-centro/cortesia de marcelino duarte

domingo, 13 de dezembro de 2009

AGENDA LITERÁRIA EM BELÉM


Convidamos você para participar de mais um projeto que estamos organizando após a boa aceitação da Antologia Literária Cidade. Estamos organizando também a:
Agenda Literária CIDADE - 2010
Depois da boa recepção da Antologia Literária Cidade (três volumes lançados na XIII Feira PanAmazônica), estamos organizando para o ano de 2010 uma Agenda Literária. O objetivo da agenda é oportunizar – mais uma vez – espaço (de custo acessível) para autores mostrarem e divulgarem sua produção em espaços diferenciados.
A idéia é produzir uma agenda em formato eletrônico para ser baixada, impressa e encadernada por qualquer pessoa em qualquer lugar onde haja um PC conectado a internet.

Dependendo da demanda, a agenda poderá ser impressa em gráfica pelos organizadores e alguns exemplares serão enviados a entidades de letras, para críticos e autores de referência como forma de divulgar a produção contemporânea. Caso a agenda resulte em impressão gráfica, os autores participantes receberão – no mínimo – dois exemplares a título de retorno por direitos autorais e as agendas serão disponibilizad as para venda pela internet e em livrarias.

Os autores interessados deverão enviar os textos por email (agendaliteraria2010@bol.com.br), preencher a ficha em anexo, efetuar o pagamento de sua participação (valores na ficha de inscrição) e enviar os textos e a ficha preenchida até o dia 08 de dezembro de 2009 (valendo o carimbo dos correios).
A agenda em formato virtual será disponibilizada na internet e o link será enviado por email aos participantes e outras pessoas que desejarem recebê-la no decorrer do mês de dezembro.
Saudações literárias.
Abilio Pacheco www.abiliopacheco.com.br/sobremim ou no lattes http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=P557903
& Deurilene Sousa - no lattes: http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhepesq.jsp?pesq=7161797260541082
ps: em anexo, ficha de inscrição e modelo de página.
Endereço postal:
Caixa Postal 5098
CEP 66645-972 - Belém-Pa

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

SILAS CORREA LEITE


Pés Vermelhos

“É sempre muito difícil
Ancorar um navio no espaço”

Ana Cristina César
Para Mário Bortolotto


-Do Paraná para Sampa é questão de uma estrada de tijolos amarelos
Os pés vermelhos de um star Mário fazendo arte
Na Praça Cimento Armado da Igreja da Consolação
Em que putas, mendigos e trombadinhas cheiram velas de umbanda
E o teatro prolifera novas vozes, estados cênicos, poemas e orações em banzos etílicos.

-Mário é um touro, diz um poeta amigo conterrâneo do Mário
Todas as vozes se calam quando uma voz se cala
A bala perdida pode ser Bala Juquinha, o sangue no corpo
Nada nos bolsos e nas mãos, o ato anticlímax atirado
E o artista pés vermelhos agoniza.

-São Paulo de tantas afroméricas em pó
Latinidade-zen tropical entre corrupções S/A
Um enorme Estacionamento Carandiru a self aberto
E os mambembes, e o homem-carroça puxando lixo
A nóia com fome chora procurando restos de comida no lixão
E só acha placas de computadores, kits, chips, teclados encardidos e ratinhos usados.

Mário Bortolotto é forte e veio do Paraná
Pés vermelhos, portanto, agora na UTI espera o sinal do spot light
Para sair do camarim para a vida, entre o sangue cênico do sonho
Pois o show dele tem que continuar e ele é o ator principal
A estrela do espetáculo em que a esperança é a inteligência da vida.
-0-
Silas Correa Leitewww.portas-lapsos.zip.net

ARTE POSTAL EM MAUÁ


Se perguntarem o que tem em comum uma criança que mora em uma área de ocupação irregular em Mauá, um artista plástico performático italiano e um frei de Santo André, tem em comum, o que se pensaria? A resposta está o mezanino do Teatro municipal de Mauá. Desde o dia 01 de dezembro de 2009 está aberta a Exposição de Arte Postal“Teatro e Memória”, parte do Encontro de Teatro 2009, que dentro do espírito libertário da arte postal, congrega trinta e oito trabalhos de artistas de vinte países diferentes, com os mais diversos materiais, estilos e linguagens que a arte pode permitir. São colagens, carimbos, bordados, pinturas, desenhos, intervenções, fotografias, manipulação digital, stamp art, e outros, todos recebidos pelo correio, com seus respectivos envelopes e selos, respondendo uma convocatória que correu o mundo. O nome da cidade de Mauá, e por conseqüência do ABC, foi falado em muitos sotaques e em muitos lugares.
http://teatroememoriaartepostal.blogspot.com/
http://umavoznoinvisivel.blogspot.com/2009/11/exposicao-de-arte-postal-teatro-e.html
Visitação: 01/12/2009 a 20/12/2009
Realização: Secretaria Municipal de Cultura, Esportes e Lazer
Curadoria: Edson Bueno de Camargo e Cecília Camargo
Local: TEATRO MUNICIPAL DE MAUÁMezanino
Rua Gabriel Marques, n.º 353 - Centro – Mauá – SP (Acesso também pela Avenida João Ramalho, 456.)
(De terça a domingo das 10h00 ás 21h00

JOAQUIM BRANCO


JOAQUIM BRANCO/POESIA VISUAL/CATAGUASES/MG

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

SANDRO GARCIA


Question Mark Records, catálogo atualizado.
Por volta de 1997 depois de trocar cds, K7`s e zines atraves do correio com amigos, surgiu a idéia, (inspirada na atividade de pequenos selos independentes como a Krakatoa do Plato, a Midsummer Madness no RJ, a Invísivel do Fábio Golfetti, entre outros) de montar uma compilação de bandas independentes que estavam tocando pelo país naquele momento.
Notei por acaso, que boa parte dos grupos que eu havia conseguido material tinham registrado um cover como referência em seus trabalhos. Na maioria regravações de bandas dos anos sessenta, cheguei então a conclusão de fazer uma pequena compilação em K7 só com releituras dos sixties.
O repertório da fita batizada de "Francis Picabia" trazia bandas recriando faixas clássicas cada qual da sua maneira. Algumas delas estão em plena atividade como o "Violeta de Outono" que regravou "Astronomy Domine" do Pink Floyd, "Os Gasolines" com "He’s Waiting" dos Sonics, ou o "Jupiter Maçã" tocando ao vivo do Garagem Hemética em Porto Alegre a faixa "Being for the Benefit of Mr.Kite" dos Beatles .
Grupos que já encerraram suas atividades também contribuiram crucialmente com a coletânea como "Os Argonautas" do RS com uma versão surf-music de "Tomorrow Never Knows", o "Dirty Darling" de São Paulo com uma incrível versão de "Cool it Down" do Velvet Underground, ou o "The Ultimates" tocando o clássico garageiro "No Escape" dos Seeds. Na ocasião consegui alguns exemplares de um quadrinho chamado "Ms.Tree 3-D" que junto com o K7 formou um kit muito bacana.
Para distribuir a fita achei importante inventar um pequeno selo de lançamento ("peguei emprestado" parte do nome da banda "Question Mark and Mysterians") e foi desde então que passei a utilizar o nome Question Mark Records para distribuir discos oficiais e lançar alguns títulos caseiros em Cdr, fita ou vídeo. Este pequeno catálogo acaba de ser atualizado, todos os títulos (os mais antigos e também os novos) foram resenhados e apresentam o "track list" para identificar o repertório de cada item.
O catálogo atual na internet mantém o objetivo de sempre, que é o de divulgar e organizar alguns discos lançados ao longo dos anos desde da fitinha em 1997. Para conferir é só clicar no endereço abaixo:
http://www.questionmark.zip.net
Um grande abraço
Sandro Garcia

http://www.sandrogarcia.zip.net
http://www.myspace.com/sandrogarciasolo

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

ODEIO RODEIO


Câmara Municipal lança consulta pública sobre RODEIOS
O presidente da Câmara Municipal de São Carlos, Lineu Navarro (PT), em entrevista coletiva à imprensa, anunciou o lançamento da Consulta Pública no portal do legislativo são-carlense na internet (www .camarasaocarlos.sp.gov.br), que entrará no ar a partir desta terça-feira, 1º. de dezembro.
“A idéia da Consulta Pública é verificar a opinião dos munícipes sobre um tema polêmico para a cidade. Como existem pessoas que são a favor e outras que são contra, a Câmara quer saber a opinião da sociedade em relação a essa questão dos rodeios, se deve ou não ser implantado na cidade”.
A consulta em andamento, no site da Câmara até 20/12:
Realização de rodeios no município de São Carlos
PARTICIPEM É RÁPIDO E VC ESTARÁ AJUDANDO MUITOS ANIMAIS COM SUA OPINIÃO!
Link : http://i.webenviador.net/t/9957X36980X21907711/i.webenviador.net/consulta-publica.html

Repassem aos seus contatos e amigos

Odeio Rodeio - Coletivo pelo fim dos rodeios,vaquejadas e congêneres.

Leandro Ativista
Fundador e Secretário geral
E-mail: contato@odeiorodeio.com
MSN: kaelduanel@hotmail.com
Skype: leandro.ativista

WALDO LUIS VIANA


BENJAMIN,
O “MENININHO” ENVIADO


“Hoje em dia é muito difícil não ser canalha.
Todas as pressões trabalham para
o nosso aviltamento pessoal e coletivo.”

Nélson Rodrigues

Waldo Luís Viana*

Conta-se que, em 1933, após ter sido eleito chanceler alemão, Adolf Hitler, já esgrimindo enorme esperteza e inclinação para o mal, mandou um de seus colaboradores-asseclas do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (o Partido Nazi) contratar um jornalista para escrever artigos furiosos contra o próprio Führer. Era necessário, àquela época, estabelecer polêmica em relação ao recente mandatário para despertar o interesse do povo alemão para as discussões sobre o governo recém-instalado. Sabe-se que o jornalista cumpriu diligentemente a função e com tal energia que não foi esquecido pelo chanceler, que o recompensou, em princípio com dinheiro e, mais tarde, o mandou fuzilar.

No Brasil, vivemos uma situação muito similar, em que um filme sobre o nosso grande líder e guia, será lançado em janeiro de 2010, elaborado e dirigido sob medida para atrair e fazer chorar as multidões. A realização da película deixou de ser mero exercício de arte inocente, quando se soube que grandes empresas, dependentes das verbas publicitárias governamentais, participaram de seu orçamento. Despertou desconfianças, também, quando foram levantadas suspeitas de que os especialistas em marketing do Planalto deram os seus “pitacos” para que o “longa” ficasse mais emotivo e lacrimoso, no estilo das conhecidas novelas nacionais de sucesso.

O filme contaria a infância, a juventude e a ascensão a líder sindical do Sr. Luiz Inácio da Silva, terminando obviamente em sua chegada á presidência. Enfim, uma saga do “filho do Brasil”, cuja carreira fulminante realmente “nunca houve neste país”.

Ocorre, tal como os marqueteiros do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães de Hitler, que os especialistas em comunicação do Partido dos Trabalhadores de Lula resolveram estabelecer polêmica em relação ao filme e resolveram arquitetar um plano, num estilo tropical entre Maquiavel, Golbery e Goebbels, para atrair críticas contra a obra e seu formato.

Afinal, o filme sobre Lula deve ser comentado em cada esquina, nos bares, nas universidades, entre os professores e estudantes, e na mídia, entre os formadores de opinião. Deve ser discutida a temática, a origem do orçamento, a intenção, a estética e a história do personagem, transformado em herói do povo, tal como foi exaltado na Alemanha, nos anos 1930 o livro “Minha Luta”, de Adolf Hitler, que contava a estória sofrida da juventude e ascensão do líder do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, que, dentre outros feitos, matou 6 milhões de judeus...

Assim, por coincidência, surgiu um certo editor, muito inteligente e atilado, companheiro de lutas do nosso futuro guia focalizado no filme, guerrilheiro na juventude, preso, torturado e companheiro de cela do presidente, a comentar o filme, revelando fatos escabrosos sobre a vida do presidente e revelando bombasticamente – vejam só – o seu gigantesco apetite sexual, a ponto de ter querido sodomizar um companheiro de cela, durante o período em que esteve preso, como líder sindical e agitador, durante o regime militar.

A revelação extemporânea, feita por quem não foi chamado, não se chama Manuel, nem mora em Niterói parece sermão muito bem encomendado. Antes de ser uma calúnia, até enaltece uma reação selvagem de quem foi exposto em certo momento da vida a uma situação-limite. Afinal, como disse Jesus, quem nunca cometeu pecado que atire a primeira pedra!

César Benjamin, que já foi guerrilheiro, prisioneiro político, fundador do Partido dos Trabalhadores, saiu do PT, entrou no Partido do Socialismo e Liberdade, foi candidato a vice-presidente pelo PSOL e já saiu do PSOL – parece ser o homem indicado para fazer o trabalho daquele jornalista que ajudou na oposição a Hitler. Ele chegou ao desplante de fazer suíte do próprio artigo, tentando acender uma polêmica, esperando que a direita ingênua fosse atrás, como a Igreja, quando condena os filmes que contestam a divindade de Jesus ou entra com medidas cautelares contra as escolas de samba, no Carnaval, quando são profanadas imagens sacras em carros alegóricos. Mas o tiro saiu pela culatra e seu casinho jornalístico foi encerrado. Coitado!

O “menininho” (parece que esse era um de seus codinomes) César é mesmo peralta, um peralvilho! Cumpriu sua função, mas a polêmica ficou murcha e acabou beneficiando o agredido, o caluniado, que nem se deu por achado, continuando solenemente a correr o mundo como líder e com 80% de popularidade.

Pelo visto, o filme foi feito para não passar em brancas nuvens, como aquela novela do Sassá Mutema, em 1989 (lembram-se?), que foi um dos ingredientes psicológicos que ajudou a eleger o presidente Fernando Collor. Naquela época, a novela despertava no subconsciente do povo a seguinte pergunta: como vamos eleger um analfabeto nordestino para a presidência, quando temos um outro nordestino, jovem, bonito, destemido e eficiente para eleger?

Agora a pergunta que o filme deseja levantar para o inconsciente coletivo brasileiro é outra: um homem, capaz de sair da miséria violenta, como retirante nordestino, num pau-de-arara e ter chegado, com méritos, à presidência da República, não tem, com certeza, o direito de guiar o povo e indicar seu sucessor? É esse e só esse o objetivo do filme.

Hitler pensava que sabia das coisas e tentou construir um Reich de mil anos, matando milhões de pessoas e tentando conquistar a Europa, como um bárbaro. Felizmente foi contido, na majestade de seu mal, pelas forças do bem coligadas, que destruíram o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães.

Lula também sabe das coisas e quer ser líder, mesmo fora do poder, nomeando uma marionete ou um ventríloquo, esticando o poder de seu querido Partido dos Trabalhadores. Para quem já percebeu, o governo do ilustre operário não passa de um nazismo pós-moderno, com Goebbels e tudo. Em seu governo só existe a moral e as razões do líder e mais nada!

E, nesse contexto, César Benjamin prestou-se ao mesmo papel do jornalista cooptado por Hitler. Só espero que, mais tarde, quando a polícia secreta aqui estiver funcionando (se já não estiver), ele não seja fuzilado...

______
* Waldo Luís Viana é escritor, economista, poeta e costuma escrever, vez em quando, para não surtar...
Teresópolis, 5 de dezembro de 2009.

GAROTA VENEZUELANA


Arte_Brasil Apresenta : Paulo Ricardo Camposhttp://www.orkut.com.br/Main#Album?uid=18034717580042093255&aid=1259245954
Veja o magnífico trabalho de Paulo Ricardo Campos... e, também outros Artistas na
Galeria!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA




"Sustentabilidade Corporativa"
"Sustentabilidade é um tema muito debatido nos dias atuais, trata-se da busca por melhorias contínuas. Realizar projetos que tragam benefícios sociais hoje, porém, que mantenham o foco no amanhã para que ele seja promissor. Preocupar-se com sustentabilidade é ser ambiental e socialmente responsável. Crescer sem esgotar os recursos naturais.
O progresso, o qual traz tantos benefícios à sociedade, em contrapartida, tem destruído o meio ambiente. Muitos danos são provenientes do progresso, como por exemplo, a poluição que é prejudicial à saúde. Outro exemplo, o consumo nada consciente de água. Infelizmente, apesar de muitos debates e reportagens a respeito desse tema, as pessoas ainda desperdiçam esse bem precioso, a água, que poderá estar escassa no futuro. Chega-se, portanto, à conclusão de que somente um bom planejamento poderá levar a resultados positivos. Pois, muitos são os cuidados a serem tomados para que haja desenvolvimento social. Traçar metas, realizar ações contínuas de modo a manter a realização dos projetos em busca da geração de riquezas é importante, entretanto, fazer um levantamento do que é necessário ter para que seja possível respeitar os princípios que resultarão no bem-estar social é indispensável.
O novo cenário mundial, a modernidade, a globalização trazem novas tendências ao mercado, o qual está mais dinâmico. As empresas sabem disso e, atualmente, incluem em suas metas não apenas o retorno financeiro, mas também a preservação dos bens e recursos. Pois precisam acompanhar o dinamismo do mercado. Além disso, visar à capacitação e especialização dos seus profissionais, bem como gerar empregos também faz parte dessa nova visão.
Compreende-se que empresas, tempos atrás, preocupavam-se única e exclusivamente com seus lucros e suas vantagens. Não se importavam com as comunidades em que estavam inseridas, muito lixo e poluentes foram jogados em rios, por exemplo. O fato é que elas foram obrigadas a mudar essa conduta, a princípio, por obrigação, o que não significa que todas empresas atendiam. Posteriormente, as mudanças ocorreram pela visão de futuro, pela necessidade e até pela consciência, as empresas focaram nas oportunidades de negócios e na imagem organizacional. Ainda há muito que ser feito, porém, já há alguns avanços. Deve-se analisar se será possível realizar determinado projeto, se a escassez dos recursos permitirá. Estratégia e planejamento são o caminho.
Sabe-se que é vantajoso para as empresas pensar em desenvolvimento sustentável, é possível lucrar e ser responsável. Para se obter sustentabilidade corporativa é necessário estar preparado pra ela e continuar buscando melhorias sempre, rever os planos de ação e as ferramentas que se tem. Saber onde se quer chegar e como.
Trabalhar com ética se torna um grande diferencial para qualquer organização. E preocupar-se com o futuro das próximas gerações tornou-se mais do que uma causa nobre e bonita, virou necessidade. A natureza já não pede por socorro como afirmam muitas pessoas, ela implora. E está nas mãos não apenas das empresas. Mas de cada um de nós cidadãos atender seus apelos e salvá-la".Sandra Franzoso franzososand@hotmail.com)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

ÉRIKA MACHADO


SHOW DE LANÇAMENTO DO SEGUNDO CD DE ERIKA MACHADO
PARTICPÇÃO DE FERNANDA TAKAI E JOHN ULHOA

DARCY RIBEIRO


A ALEGRIA DA MENINADA É A RUA
Darcy Ribeiro

Não existe menor abandonado em nenhum país civilizado. Isso é uma impossibilidade tão gritante que eu, muitas vezes, tive que explicar por que temos tantos. São coisa nossa.
Assim é porque naqueles países a cada criança corresponde uma escola onde ela passa o dia inteiro. Se foge ou escapa, é devolvida pela polícia ou pelo juiz, que até pode prender os pais. Lá não há, pelas mesmas razões, meninos de rua, que são também coisa nossa. Uns e outros são gerados por nossa escola de turnos.
Quando as cidades brasileiras incharam, com os milhões de gente expulsas do campo pelo medo da aplicação, ali, da legislação trabalhista, em lugar de mutiplicarmos as escolas ruinzinhas que tínhamos, as desdobramos em turnos: dois, três e até mais.
Nossa escola primária, de pouquíssimas horas, se especializou, desde então, no atendimento a crianças das classes médias, que já chegam a ela bem preparadas para a alfabetização. Têm casa onde se lê e onde há uma pessoa já escolarizada que as ajuda nos estudos.
A criança popular, que não tem tal casa nem a tal ajuda, porque provém de uma família sem escolaridade prévia, vê-se condenada à reprovação. Repete, necessariamente, a 1ª série, tempo de domesticar a mão para manipular o lápis e de entender a estranha fala da professora. Nada disso sendo valorizado pela escola, ela é obrigada a repetir seguidas vezes a mesma 1ª série. daí em diante progride, de fracasso em fracasso.
Ao fim de longos anos, uns poucos conseguem concluir a 4ª série, que é quando efetivamente se alfabetizam. O que chamamos de aalfabetizado é, na miaoria dos casos, quem apenas desenha o nome, incapaz de escrever uma carta, ler um anúncio de jornal ou fazer uma conta. É um marginal da civilização letrada, sem qualquer capacidade de continuar aprendendo na escola ou por seu esforço.
O pior dessa história é que floresce no Brasil uma pedagogia tarada e vadia, segundo a qual o fracasso da criança pobre na escola é culpa dela própria. A escola não tem nada a ver com isso, nem tem que se comover com a massa de reprovações. os que chegam a ela devidamente preparados passam de ano.
Na verdade das coisas, a criança brasileira das favelas e das periferias das metrópoles é tão maltratada pelo sistema educacional que o governo lhe dá, que seu destino melhor é a rua.
Ruim é ficar em casa, curtindo fome, roubar na feira com risco de morte ou ir para o lixo procurar alguma porcaria comível. Muitíssimo melhor é a aventura da vida urbana em seu esplendor de luzes, vitrines, carros, passantes e sons, além da possibilidade de roubar alguém para comer e cheirar cola.
Melhor ainda é abraçar a carreira de "aviador"o tráfico, que ganha bom dinheiro para a família e vive, entre a criançada, o papel de herói até que seja cravejado de balas - pela polícia ou pelos traficantes.

18 de setembro de 1995


Esse textos e outros de DARCY RIBEIRO estão disponíveis no blog GELÉIA GENERAL (http://geleiageneral.blogspot.com).

sábado, 28 de novembro de 2009

ENTREVISTA COM GUINGA


sábado, 21 de novembro de 2009
Entrevista com o compositor e violonista Guinga
"caridade, justiça e humildade. Ninguém cresce se não preservar esses valores".
Daniela Aragão: Agenda apertadíssima não?

Guinga: Esse ano eu fiquei fora do Brasil praticamente o ano todo, foram oito viagens ao exterior. As vezes ficava 50 dias fora. Tenho vindo pouco aqui, estou desatualizado das coisas novas, mas vou tomar pé das coisas. Ainda tem duas viagens para fazer esse ano, mas depois eu vou dar uma meia trava, porque eu acho que isto que está acontecendo comigo é meio um excesso de viagem. Passando muitas horas dentro do avião, direto. Mas há a necessidade de ganhar a vida, expandir a música. Tudo tem um preço, enfim.

Daniela: Eu conheci o seu trabalho na sua parceria com o Aldir Blanc, o cd Catavento e Girassol, gravado pela Leila Pinheiro, somente com canções de vocês. E ainda continuam essa parceria?

Guinga: Sim, sempre, nós somos amigos. Isso vai ter a vida toda, enquanto a gente existir essa parceria é preservada, ecológicamente preservada (risos).

Daniela: Algum trabalho novo?

Guinga: Eu tenho uma série de músicas inéditas, inclusive duas em parceria com José Miguel Wisnik, que é um gênio. Estamos estreando uma parceria que vai aparecer num novo disco que pretendo fazer pela Biscoito Fino, que é a minha gravadora. Tenho disco para fazer também na Itália, pois pertenço a uma gravadora italiana. Quero fazer um disco com uma cantora italiana famosa lá e que tem um público imenso. Ela vai verter minhas músicas para o italiano, com arranjo, orquestra e eu participando do disco. Ela vai gravar um disco com músicas minhas, todas em italiano. Ela se chama Tosca, é uma grande cantora que mora em Roma, famosíssima na Itália. Isso para mim, um cara que nasceu em Madureira de uma família pobre, lutando pelo mundo aí, para mim é uma vitória. Como tocar aqui é difícil viu, é mais difícil do que tocar no auditório de Roma. Eu já toquei na sala Disney Hall Concert com a filarmônica de Los Angeles, a sala cheia com cinco mil pessoas e não fiquei mais nervoso do que hoje. Isso é experiência para um artista, aqui Deus me ajudou a crescer. Cantar com jogo ganho é fácil.

Daniela: O seu trabalho com Wisnik é um disco inteiro?

Guinga: Não, é uma parceria que estamos fazendo. Já temos duas músicas prontas, e com a graça de Deus essa parceria vai vingar. Nós somos muito amigos, eu sou admirador dele muito grande, e depois de ter feito com Chico Buarque, pensei, agora quero fazer com Wisnik que é meu ídolo também. Estou feliz por estar compondo com ele. Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro, Chico Buarque, José Miguel Wisnik e os jovens todos que eu tenho lançado, tenho feito parcerias com eles. Você vê como a vida não depende de nome e nem de fama, a música mais aplaudida hoje aqui é de um parceiro meu que ninguém conhece, que nunca gravou um disco, um menino de 25 anos.

Daniela: Uma questão que sempre me despertou uma certa curiosidade, ou seja, com cada parceiro vai implicar numa construção musical absolutamente diferente?

Guinga: Isso, é como um homem que se separa ou uma mulher que se separa e casa de novo. É lógico que um casamento nunca vai ser igual ao outro, se não a gente não repetia. Até porque a gente aprende e tenta não repetir os erros. Na vida, minha filha, eu acredito em três coisas, três valores no qual eu tento fundamentar a minha vida, e é difícil: a caridade, a justiça e a humildade. Ninguém cresce se não preservar esses valores.

Daniela: São quantos anos na estrada?

Guinga: 43 anos

Daniela: Continua dentista?

Guinga: Não, pois é. Sou dentista porque sou formado e exerci a profissão por quase 30 anos. Faz oito anos que não exerço mais, pois viajo e fico longe durante muito tempo. Esse ano fui sete vezes a Europa e uma vez aos Estados Unidos, em São Francisco. A última vez eu fiquei sessenta dias fora do Brasil, a última foi agora que cheguei na segunda feira com essa paralisia. Eu acho que foi excesso de ar condicionado, imunidade baixa, daí o vírus aproveitou e me pegou. Mas hoje eu já comi aqui duzentos quilos de torresmo, feijão pracaramba, couve, esse vírus vai ficar assustado comigo e vai embora (risadas).

Daniela: Essa pergunta não tem cara de pergunta de encerramento, mas vamos lá, pois eu perguntei para todos os músicos. Quais são as suas maiores influências?

Guinga: Eu adoro Tom Jobim, Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim, Garoto, Badem Powell, Francis Hime, Edu Lobo, Milton Nascimento, Chico Buarque, Radamés Gnatalli, Ravel, Debussy, Stravinsky, Leonardo Berstein, Villa Lobos, Richard Strauss, Shoemberg, Bah, Vivaldi, Mozart, Bethoven, Wagner, Puccini, Noel Rosa. Tudo o que é bom eu gosto, eu procuro ouvir os bons pra tentar melhorar um pouco.
Postado por daniela aragão blogcantodadaniela.blogspot.com

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

DVD VIOLETA DE OUTONO


Finalmente recebemos cópias do DVD "Seventh Brings Return - A Tribute to Syd Barrett - music played by Violeta de Outono".
O DVD foi lançado somente na Inglaterra e não será lançado no Brasil. Este show inclui o disco "The Piper At The Gates of Dawn" quase na íntegra mais músicas dos compactos Arnold Layne e See Emily Play. Um registro muito especial tanto para os fãs do Violeta de Outono como para os de Pink Floyd / Syd Barrett
Abaixo o link para comprar:
http://www.violetadeoutono.com/shop_details.php?CatNumber=VPBDVD2
www.violetadeoutono.com.br

CARTAS


EL PAÍS"
Não entendi a declaração do jornal espanhol "El País", que disse que a divergência entre os Estados Unidos e o Brasil sobre a questão de Honduras pode ser a primeira vez que Lula se veja contra as cordas em um conflito internacional, ele que tem sido considerado um grande conciliador. Conciliador de quê? No Brasil, Lula tem sido um verdadeiro ditador e um grande promotor de conchavos, pouco ligando para a opinião de adversários e de brasileiros descontentes.
Só se o jornal espanhol considera que ele foi conciliador quando tornou amigos do peito seus outrora inimigos do tempo do Lula candidato, Sarney, Collor, Renan e Jader, dentre outros.
Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com
Rio de Janeiro
SOLUÇÃO JUSTA PARA A PARTILHA DO PRÉ-SAL
Quando se fala em partilha, a primeira conotação que se faz é referente à herança (partilha de quadrilha à parte). A partilha de uma herança é, obviamente, feita entre todos os herdeiros. Se considerarmos o valor total dos royalties como herança da natureza destinada ao Brasil, deveremos dividi-lo igualmente entre todos os brasileiros. Partindo dessa premissa, chegamos a uma solução para a justa divisão dos royalties oriundos da extração do petróleo do pré-sal. O rei Salomão, para resolver a questão e acabar com a infrutífera disputa entre os Estados, provavelmente aprovaria a seguinte solução: seja dividido o valor pelo número de Estados da União, a cada um cabendo quinhão proporcional ao número de habitantes. Aproveito a ocasião para sugerir aos excelentíssimos senhores congressistas que elaborem legislação complementar que especifique a destinação desses recursos, estabelecendo uma percentagem para cada uma das áreas a serem contempladas, tais como educação, saúde, segurança, saneamento básico e transporte, vedados destinos aleatórios.
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
violinista e engenheiro
São Paulo
DEBOCHESabendo-se que, no Brasil, a cada 100 mil pessoas, ocorrem, em média, 25 assassinatos, uma das maiores - senão a maior - taxa de homicídios intencionais do planeta e que traficantes dominam vastas áreas de nossos centros urbanos, soa como deboche a pretensão do Brasil de ocupar o posto de diretor executivo do Escritório da ONU para o "Combate ao Crime e Drogas". Ao reverso do complexo de "vira-lata" - expressão cunhada pelo dramaturgo Nelson Rodrigues, que percebia certo sentimento de inferioridade do brasileiro - parece que o (des)governo Lulla sofre de complexo de ‘cachorro grande’ que o faz, não obstante seus rompantes terceiro-mundistas, cobiçar um assento permanente no Conselho de Segurança do mesmo Órgão. Esse (des)governo petista precisa se enxergar e alguém avisar a Lulla & Cia. que, antes de o Brasil pretender ditar às demais nações do planeta normas contra o crime, precisa, antes, dar o exemplo e fazer sua lição de casa: combater, com rigor, dentro de nossas fronteiras, a delinquência em todas as suas vertentes (a começar por processar os ‘queridinhos’ do MST); criar condições institucionais para que se possa punir exemplarmente os criminosos, reformando-se nossos anacrônicos códigos penal e processual penal, agilizando-se a Justiça, e, por fim, construindo estabelecimentos prisionais seguros, onde se respeite a dignidade do apenado mas, ao mesmo tempo, o impeça de transformar esse espaço de suposta "recuperação" ou "reeducação" num infame escritório de atividades antissociais.
Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br
São Paulo
IPI ELEITOREIRO
O ministro Guido Mantega anunciou que o governo vai conceder mais uma isenção do IPI. Dessa vez é para os móveis , com um custo para os cofres públicos na ordem de 217 milhões que somados as isenções para os materiais de construção e os veículos com motor flex, ultrapassam a casa do bilhão .Essa isenção é eleitoreira mesmo. Uma coisa interessante ; " Esse ministro usou a imprensa para descartar reduzir a carga tributaria do material escolar e para reafirmar aos deputados que os Projetos de lei do senador Paulo Paim, que devolvem aos aposentados os seus direitos, quebra a Previdência Social. O que mais preocupa o estudante e o aposentado não é o ministro Mantega e sim os ministros da Educação Fernando Haddad e o da Precedência Paulo Pimentel que, como Mantega, só aparecem para defender o governo. Acorda eleitor brasileiro. 2010 vem ai.
Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br
Volta Redonda - RJ
EMPREGOSO presidente Lula, em mais uma de suas sacadas ilusionistas, afirmou que em 2009 terão sido gerados mais de um milhão e trezentos mil empregos. Quem anda pelas ruas de nossas principais cidades, sabe que isso não é verdade. Em Recife por exemplo, onde as ruas, largos e praças, estão cada vez mais repletas de vendedores ambulantes, flanelinhas e moradores de rua, se inscreveram mais de 100.000 pessoas para o concurso de soldado da Policia Militar, disputando 2.000 vagas. Também dentro da estimativa ou palpite presidencial (a área econômica é pródiga em palpites sem embasamento técnico), deve-se considerar que está em curso uma avassaladora fiscalização do Ministério do Trabalho sobre as micro e pequenas empresas, onde normalmente está instalada a informalidade, como recurso de sobrevivência. Os encargos sociais que pesam sobre a folha de pagamento deste segmento, além de um salário mínimo descompassado da realidade nacional, contribuem para o desaparecimento precoce desses pequenos e valorosos empreendedores, com o fechamento de milhares de postos de trabalho. A severa perseguição ao segmento não cria novos empregos, mas apenas os formaliza por um breve período de tempo. Se desonerassem, sem embustes, este setor, responsável por 75% dos empregos desse País, os reflexos seriam dez vezes melhores que o eleitoreiro Bolsa-Família.
Sergio Villaça svillaca@terra.com.br
Recife

VICTOR MANUEL GUZMÁN



SONS DO AMOR
Eu quero partir ao meu silêncio
como veículo de mistério
e em meus passos perdidos quero abrigar teu coração
numa música de meditação a tua alma
onde a vida floresce
onde as suas paixões são sabedoria
que registro minhas promessas de filosofía
que são os tesouros do reino de nosso amor

ARGENTINA

EFIGENIA COUTINHO


Amor
Efigênia Coutinho

O Amor, fica no peito!
Sendo com muito ardor,
Senti-lo é meu pleito
Guarda-lo com clamor!


Amor, trás amor puro
Semeia cedo floresce,
No imo abriga futuro,
Com fremir, não fenece!


Amor, desta alma eleita,
Ao céu sublime candor
Banhando luar e flor!


Amor, felicidade,
Contigo eternidade,
Oferto à maior idade!

Balneário Camboriú/TELA:RENOIR
Novembro 2009
Efigênia Coutinho
Presidente Fundadora
Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores
www.avspe.eti.br/

ROBERTO ROMANELLI MAIA


EM UM DIA QUALQUER
ROBERTO ROMANELLI MAIA
ESCRITOR, JORNALISTA E POETA


QUANDO A JANELA DE MINHA CASA SE ABRE PARA O MUNDO
PERCEBO O BELO QUE CHEGA ATÉ MIM, TODOS OS DIAS.

SÃO PÁSSAROS QUE CANTAM MÚSICAS ÚNICAS E MAVIOSAS.

SÃO PLANTAS QUE AVISTO REVELANDO AS SUAS FLORES NASCENDO,
UMA APÓS OUTRA, EM TODOS OS MOMENTOS.

É O VENTO QUE INVADE O MEU SER E ME ARRASTA PARA ALÉM DA IMAGINAÇÃO.

PARA LUGARES ONDE NEM PERCEBO QUE FUI OU AINDA ESTOU.

QUE PERMANECEM DENTRO DE MIM COMO SE REALIDADE FOSSE.

SIM, A CADA MOMENTO A MINHA JANELA ME TRANSPORTA PARA UM OÁSIS
ONDE VOU AO ENCONTRO DE FADAS E DE SERES ELEMENTAIS.

E ME VEJO DENTRO DE UM FILME ONDE SOU ATOR.

SENDO SINBAD O MARUJO, ROBIN HOOD, PETER PAN, ALADIN, E TODOS AQUELES
QUE VIVERAM NUM MUNDO QUE A MAIORIA NUNCA TEVE ACESSO.

PARA QUANDO RETORNAR CUSTAR A CRER QUE A REALIDADE É BEM OUTRA.

QUE NELA NÃO EXISTEM MAIS FADAS, DRAGÕES NEM PERSONAGENS
QUE TANTO ME FIZERAM REALIZADO E FELIZ.

E CHORO, CHORO MUITO.

TALVEZ PORQUE ESTE NÃO SEJA, NEM NUNCA TENHA SIDO, O MEU MUNDO.

JÁ QUE DELE, DEPOIS DE CENTENAS DE ANOS, ME AFASTO CADA VEZ MAIS.

FRUTO DE UMA PATOLOGIA INVENTADA PELO SER HUMANO

QUE ROTULA E NÃO ACEITA AQUELES QUE, COMO EU, SE RECUSAM A ENTENDER
E A CONCORDAR COM O QUE FIZEMOS E FAZEMOS EM NOSSA TERRA.

SIM, ZEUS SAIBA VER, DENTRO DE MIM, A MAGIA QUE ME ESTÁ SENDO TIRADA.

QUE, POUCO A POUCO, PERCO NUM ESVAIR-SE CONSTANTE.

E A TRAGA E RECOLOQUE NOVAMENTE EM MEU SER.

PARA QUE EM MEUS ÚLTIMOS DIAS A BELEZA DO UNIVERSO POSSA SER, POR MIM,
CAPTADA E SENTIDA COMO NOS PRIMÓRDIOS O FOI.

SIM, ZEUS ENTENDA ESTE MORTAL, TÃO INFERIOR ENTRE OS INFERIORES,
E TÃO INDIGNO, COMO UM HOMEM QUE É CAPAZ, DE UM DIA,
CHEGAR ATÉ O MONTE OLIMPO.

E ME FAÇA DIGNO DE ALI CHEGAR.

PARA VIVER E AMAR, ENTRE OS DEUSES, PARA TODO O SEMPRE.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

sábado, 21 de novembro de 2009

APAGÃO


enviado por ester mansur miglio

ALAORPOETA


MINHAS ORIGENS

Estrada de terra
nas curvas de sua história
meus antepassados

alaorpoeta
ALAOR TRISTANTE JR./ARAÇATUBA-SP

OBAMA MENTIU!


OBAMA MENTIU: CAMPO DE CONCENTRAÇÃO EM GUANTÂNAMO CONTINUA ABERTO
O povo tem razão quando diz que todo político é igual. Afinal de contas, mesmo que inicie a carreira cheio de boas intenções, o fato é que, seja para alcançar seus objetivos, seja para se perpetuar no poder, todo político renega suas “juras” de candidato e passa a fazer concessões éticas e morais que antes rejeitava de forma veemente. Isso acontece em qualquer lugar do mundo! Vejamos o caso de Barack Obama, recém empossado presidente dos Estados Unidos, que fez uma campanha baseada na premissa de que, se eleito, mudaria a política externa norte-americana, deixando para trás a nebulosa era Bush. Pois bem, apesar de materializar essa promessa com a garantia de que fecharia o “campo de concentração” da base naval de Guantánamo, na ilha de Cuba, onde alguns suspeitos de terrorismo, a maioria dos quais “seqüestrados” em países islâmicos, estão aprisionados em condições subumanas (inclusive submetidos a torturas físicas), sem amparo legal e sem perspectiva de julgamento. Pois bem, apesar de em seus discursos de campanha haver prometido insistentemente que fecharia o “campo de concentração” de Gantánamo, tão logo chegasse à Casa Branca, o fato é que até agora, prestes a completar um ano de governo, além de não ter cumprido sua promessa, Obama passou a admitir publicamente a impossibilidade de fazê-lo. Como se vê, lá como cá, os políticos são todos farinha do mesmo saco! Enquanto aqui Lulla enrolou o eleitor com a conversa mole de “não ter medo de ser feliz”, nos Estados Unidos o povo foi “levado no bico” pelo falacioso slogan de Obama: “CHANGE - Yes, we can” (MUDANÇA – Sim, nós podemos).

Júlio Ferreira / Recife - PE / Identidade: 850.650 SSP-PE
E-mail: julioferreira.net@gmail.com

VIVAM OS JOVENS ZUMBIS EM RISCO!


Vivam os Jovens Zumbis em Risco! *Raymundo Araujo Filho


Já li muitas excerescências, mas no Dia da Conciência Negra e Zumbi, não posso deixar de lembrar aquela que diz que Zumbi sequer existiu, e que é a representação “folclórica” de vários lideres negros dos quilombos, e a maioria deles Reis perversos com seus súditos. Sequer leram Lima barreto, o Repórter e Romancista genial. Como se o mais importante não fosse o “Espírito de Zumbi” que paira sobre nós.É estarrecedor o Relatório Anual das Desigualdades Raciais, da UFRJ, coordenado pe prof. Marcelo paixão, atestando que quase 68 % dos jovens até 18 anos, mortos (muitos deles friamente assassinados pela polícia), aqui no Brasil são Negros.
Se considerarmos que dos 32% restantes dos jovens abatidos pela polícia, cerca de 50% dos gens são da etnia Negra, provenientes da África, e ainda acrescentarmos que há um verdadeiro genocídio e diminuição da fertilidade na África, e de como são tratados os Negros na AL, notadamente o Haiti, a nação mais Negra do continente americano (embora em números absolutos, o Brasil tenha mais Negros), o que vemos, no plano estratégico mundial, é a articulação de uma verdadeira operação de eliminação genética dos Negros, o que irá, no atual século, ocasionar uma grave repercussão, já a partir do terço final dos anos 2000. E se somarmos a isso, o que acontece com os indígenas das Américas, completamos o quadro de supremacia criminosa dos anglo Saxões, a contar também com a eliminação de Árabes, em curso no mundo.Assim, temos de registrar neste Dia de Zumbi e da Consciência Negra, que os Negros são “punidos” duas vezes, pela sociedade branca (dos que mandam): Uma pela eliminação física majoritária de Negros, e outra por eles serem a maioria dos pobres deste país, justamente por serem em maior número, nesta categoria econômica.
É este o resultado da Política do Capital que é Sionista, Católico e Protestante, na sua grande e hegemônica maioria.: A eliminação Étnica dos Negros e de outras etnias não brancas, Anglo Saxônica.Não é à toa que o presidente internacional da Mionanto, a empresa dos venenos e dos transgêncos, declarou que “os Trangênicos alimentarão os Pobres do mundo. Enquanto os ricos se alimentarão de produtos orgânicos, acrescentaria eu, com o dado que 80% dos orgâncos brasileiros são exportados para o primeiro mundo.Não é à toa que a Monsanto esconde inúmeros ensaios com animais alimentados com grãos transgêncos, que sofrem diversas anomalias graves, além de diminuição da capacidade reprodutiva. E não é à toa que a Monsanto financia a alimentação transgênica na África, e medindo a capacidade ovulatória das mulhreses submetidas a rações com concentrações crescentes de OGMs. Além do método direto de eliminação que é a subjugação econômica. OBS: Todas estas pesquisas mencionadas são oficiais de domínio público.Podemos afirmar, sem medo de errar, que a Ideologia Nazista está em franca expansão, não só aparentemente na política, com a inflexão à direita do eleitorado europeu, mas os anos Bush (pai e filho), Clinton e até deste boneco Obama, mostrando-se totalmente manietado e confortável no Poder descricionário do Império.Cabe à sociedade civil salvar os Jovens Zumbis e descedentes dos Índios originários em território brasileiro, em risco de morte. Não se trata apenas de exigir políticas públicas, mas também erigir experiências que possam germinar, à revelia da tutela do Estado, Igrejas e quetais, que cobram um alto preço pelas suas porcas migalhas, para “salvarem” os Pobres, lhes dando como opção única, a submissão.Em outro plano, combater ferrenhamente estes Novos Negros da Adesão, como são os MV Bill, diretores do Afrorregae, e até aquele tal de seu Jorge, o comedor de Burguesinhas (seu último sucesso musical) e garoto propaganda de um comercial de magazine, onde 90% das modelos são brancas.É assim que a Banda tem de tocar. Com radicalidade e forte espírito crítico, além de Ações Diretas visando não esta baboseira de Inclusão Social, mas sim o Ativismo Político que tem de se espraiar entre os pobres e etnicamente em risco neste país.Creio também que uma enxurrada de ações no Ministèrio Público, responsabilizando os governos por este genocídio, seria um elemento importante para a visibilidade do problema.
Viva Zumbi! Viva os Guris e Jovens Negros em risco de extinção!
*Raymundo Araujo Filho é médico veterinário homeopata, Marron por fora e Negro por dentro. TELA:basquiat

terça-feira, 17 de novembro de 2009

ELZA BEATRIZ


ELZA BEATRIZ E SUA PAISAGEM INVENTADA

“ELZA Beatriz é de Minas, por certo. Mineral e etérea. Possui sutileza drummondiana, e torna-se impossível não revelar: poeta capaz de tornar o homem mais digno da palavra.” (Cleide Simões

Conheci ELZA BEATRIZ (Von Dolingen) quando diretora de Cultura/Secretaria Municipal de Cultura da PBH. Nosso encontro de conhecimento aconteceu por causa da premiação de meu primeiro livro de poemas, Ver de Boi, escolhido para o Prêmio Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte. Era dezembro de 1973. Lá, conheci e também fiz amizade com Mário Garcia de Paiva, contista singular, Max Portes, poeta, ficcionista, artista gráfico, entre outros. Algum tempo depois, fui convidado, pelo Governador Hélio Garcia, para assumir a Divisão de Editoria da Imprensa Oficial de Minas Gerais, por indicação direta de Elza Beatriz. Na IO, por dezoito anos, muito ia trabalhar e aprender na área que sempre me acompanhou e encantou: Jornalismo, Literatura, Gráfica e pessoas marcantes de humanismos sem rebuços. Ali na IO. Elza participou, em companhia de Duílio Gomes, Yeda Prates Bernis, Jaime Prado Gouveia, Carlos Herculano Lopes, de um dos últimos encontros com Oswaldo França Jr., numa entrevista para o SLMG.
Nos anos subsequentes, nas décadas de 70 e 80, numa talvez rara efervescência da Literatura Brasileira até hoje, notadamente com o Conto e a Poesia, no País e especialmente em Minas Gerais. Curtíamos Literatura em mesas de bar, na Redação do SLMG, na PUC e na UFMG, numa e noutra casa, como no apartamento da Elza, na Praça Cairo, em BH. Lá, compareciam Adão Ventura, Chico Motta, Carminha Ferreira, Márcio Almeida, Antônio Barreto, Yeda Prates, Geraldo Reis, Ronald Claver e outros escritores. Além da própria Elza, poesia feita gente (lugar-comum, mas indispensável), o apartamento dela, pode-se dizer, transbordava Arte. Em cada compartimento da casa, Você encontrava poemas em quadros emoldurados entre desenhos e pinturas na maioria de temática mineira. O marido da Elza, o Udson, participava desses encontros, não muitos, de fins de semana com sua cordialidade e generoso vinho da adega. Ali, um espaço livre e disponível para tocar em assuntos de Política (o momento era indigesto), Literatura e variedades do nosso cotidiano.
Elza nos legou sete livros, entre de poemas e infanto-juvenis.
Os anos seguintes recrudesceram dolorosos para Elza Beatriz, física e emocionalmente. Elza padecia perdendo familiares de perto e a própria vida por causa de um mal sem cura... E também a nós, que a admirávamos e amávamos (e amamos), parodiando, assim, aqui, Virgílio e Castilho...

(Paschoal Motta)

1.
PARTILHA

Na meação da riqueza
garante a cama e a mesa,
o resto seja da sorte.

Tendo pão e tendo amante
já tens mentira bastante
contra a certeza da morte.

(de Tempo Suspenso, Imprensa Oficial / MG, 1973)

2.
A PARTIR DE UMA JANELA

A partir de uma janela
a paisagem se inventa
o sol de mentira tocado
no céu mais longe e cinzento

A partir de um passarinho
o canto existe em promessa
dueto de asa ensaiado
nas grades de mil silêncios

A partir de uma roseira
a rosa é questão de tempo
flor acesa, tocaiada,
em cada espinho de dentro.

“Se muero
Dejad el balcón abierto...”
sol de invento, céu e sonho
canto, pássaro, rosa, reza
a partir de uma ventana.

(O verso em aspas é de García Lorca)

(de Fio Terra, Livraria São José, Rio de Janeiro, 1975)

3.
AVAL

Antes
quando as casas
tinham varandas
e a infância corria
entre jardim e quintal
viver, acreditem,
era bastante normal
e ser poeta não era
esse ofício mortal
de extrair uma flor
de uma pedra
de sal.

(De Silêncio Armado, Editora Comunicação, BH, 1978)

4.
BABÉLICA

Com mens sana in corpore sano
vivia-se ladinamente,
com a vida cabendo
em nosso latim.

Hoje, consulto um alopata,
sexólogo, homeopata,
pratico ioga, ingiro drogas,
vou ao ortodontista, fico arquiotimista,
engulo cultura, agulho acupuntura,
bebo raízes, volto às matrizes
e vivo insone, morro insana
só para dizer – não ou sim –
se a vida me cobra
saber assim.

(de Líquido e Certo, Editora Vigília, BH, 1983)


5.
BRINQUEDOS

Eu fiz de papel dobrado
um barquinho e naveguei.
Fiz um chapéu de soldado
e soldadinho – e marchei.
Fiz avião, fiz estrela
embarquei dentro – voei.
Agora fiz um brinquedo
– o melhor que já brinquei –
guardei num papel dobrado
o primeiro namorado
(o seu nome eu inventei...)

(de A Menina dos Olhos)

ELZA BEATRIZ, A ARTE E O HOMEM A PARTIR DE SUA JANELA

DE UMA ENTREVISTA com a Professora Cleide Simões para o Suplemento Literário do Minas Gerais, quando sob nossa direção, edição 1.145, de 5 de maio de 1990, destacamos poemas e alguns pensamentos da entrevistada.

1) Na transparência da palavra, ou velada nas silentes reentrâncias,
é nua que a poesia se entrega à comunhão do leitor.

2) Procuro cristalizar as intermináveis perguntas que a maturidade
apenas penteia nas nossas cabeças não mais revoltas de juventude.

3) No mundo adulto, cheio de chaves e muros, s linguagem humana
cada vez mais monologa sua solidão.


4) O ser político que todos somos é em mim muito forte por postura
social e formação.

5) A Arte, como expressão maior da criatividade humana, tem um poder
de transgressão do discurso vigente.

6) Somos inacabadíssimos, felizmente.

ARNALDO BAPTISTA EM DVD


ARNEWS ANUNCIA: O FILME LOKI – ARNALDO BAPTISTA EM DVD.
Após circular nos principais festivais de cinema, ganhando prêmios, em Sâo Paulo/Rio/Cuiabá/Miami/Toronto e Nova York e de ter sido exibido em várias salas de cinemas em todo o país, o Canal Brasil lança em DVD, LOKI-ARNALDO BAPTISTA, seu primeiro produto cinematográfico.
Num primeiro momento a Livraria Cultura terá exclusividade das vendas do DVD e no dia 28 de novembro de 2009, data oficial do lançamento, a Livraria Cultura receberá Arnaldo Baptista para uma tarde de autógrafos.
Agora você poderá levar literalmente Arnaldo Baptista para sua casa.
Veja links abaixo para maiores informações
Release do filme frente e verso, pedidos para compra e endereço da Livraria Cultura.
lucinha e arnaldo baptista
www.arnaldobaptista.com.br

IEMANJÁ

Darcy Ribeiro

O acontecimento mais importante e mais belo da cultura brasileira nas últimas décadas foi a criação do culto à nova iemanjá das praias. Ela era uma deusazinha de rios e riachos, também de pescadores, cultuada em São Paulo a 2de março, e na Baihia, a 2 de fevereiro.
Transfigurada, Iemanjá se fez maior, muito maior que a Semana de Arte Moderna dos paulistas. maior até do que tudo que nossa cultura erudita produziu. Tão grandiosa que se inscreveu no calendário para colorir a vida de todos os brasileiros.
Iemanjá surgecomo um culto de multidões que se espalhou logo por todas as praias do Brasil. Um eminente ministro da Cultura da França, convidado por mim para apreciar o culto, pediu que eu o transferisse para o Natal. Ignorante.
O criouléu do Rio foi que, na sua genialidade, arrastou o culto à Iemanjá para 31 de dezembro. Aposentou, assim, esse Papai Noel nórdico que viaja sobre o gelo num trenó puxado por viadões para pôr presentes pros meninos das casas que têm chaminé. É um culto alienado, bobão, que nos dias de maior sol de verão, em que contamos com tantas frutas maduras: manga, abacaxi, caju, abiu, jabuticaba, pinha, jaca, banana, graviola, etc., obriga os tolos a importar frutas meio ardidas para comemorar o nascimento do menino Deus e o ano novo.
Nosso Jesuscristinho brasileiro certamente não gostava disso. Queria uma festa como essa, que agora os negros do Rio e de todo o Brasil lhe dão, cultuando Iemanjá juntamente com a imensa brancalhada, que aderiu logo à nova causa.
À Iemanjá ninguém pede a cura do câncer. Nem Darcy. O que se pede é que o marido não bata tanto e que a namorada seja mais carinhosa. Iemanjá é uma deusa do amor. Deusa que transa, como as que os gregos criavam e agora os negros do Brasil ressuscitam.
Todo ano vejo, gozoso, mais de 2 milhões de pessoas, todas vestidas de branco, vindas de toda parte, caminhando alegres para a praia de Copacabana. Vão saudar Iemanjá. Às 23h30 desço eu, também vestido de branco, para atravessar a multidão e chegar até o mar. Lá, com os pés molhados, ungido por Iemanjá, faço meus pedidos rogando a ela que atenda minha fome insaciável de amor. Vejo, em espanto, a prodigiosa queimação de fogos com que querem desviar a atenção do povo. Na verdade, animam e embelezam a festa de Iemanjá, fazendo dela uma missa musculosa de todas as cores.
Vá, amigo, a alguma praia, vestido de branco. Entre na água e deixe Iemanjá beijá-lo. Você estará sagrado, de corpo fechado, atrativo ou atrativa como o diabo, o ano inteiro. Feliz ano novo, próspero e tesudo.

1º de janeiro de 1996

Este texto, e mais outros deveras interessantes, está postado no blog Geléia General (http://geleiageneral.blogspot.com).CLOVIS CAMPELO/RECIFE/PE

sábado, 14 de novembro de 2009

FESTIVAL HOLÍSTICO


enviado por ALBERTO MARSICANO

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

GENESIS/ TRESPASS


Genesis - Trespass
Pessoal, mais uma análise da maior banda de rock progressivo de todos os tempos, pelo menos para o meu coração! hehehe. O disco é o magistral Trespass.
Bom, sou suspeito para falar desse disco, pois não o considero um dos melhores do Genesis, o considero um dos melhores do rock progressivo; para mim ele é único, diferente de tudo que eu já ouvi. Acho-o extremamente tocante e espiritual ( no mais amplo sentido que essa palavra possui ). De alguma maneira, sempre que eu ouço esse álbum, me sinto elevado e mais próximo da divindade. Será que alguém sente isso também? Além disso, ele é especial para mim, pois conheci o Genesis com Peter Gabriel a partir de uma audição do Trespass. Vamos às músicas!


LOOKING FOR SOMEONE
“Looking for someone, I guess I'm doing that, Trying to find a memory in a dark room”
Com esse início, o choque já é inevitável, me lembra muito o início de Dancing With The Moonlit Knight. A diferença do trabalho anterior para esse já é notada de cara, o clima é outro, o vocal mais firme com falsetes misteriosos e em tom de angústia, além do trabalho instrumental bem mais elaborado. Todos os instrumentos em perfeita harmonia, destacando o teclado, a flauta e as guitarras colocados a fim de criar uma atmosfera de solidão. Interessante apreciar a bateria, que mesmo sem nada de incomum está bem colocada e a serviço da melodia. Já se nota uma mudança total na proposta do conjunto que agora adere totalmente ao rock progressivo. Tema da solidão, letra bela e melancólica, extremamente bem interpretada. Uma bomba já cai na cabeça!

WHITE MOUNTAIN
Agora o assunto é a Idade Média. Começa aqui um dos grandes marcos da história do Genesis nesse período. O Peter Gabriel reveste-se de trovador e conta uma história medieval onde os instrumentos servem como base para sua interpretação. White Mountain possui um clima misterioso, sua introdução com violões e teclados é tocante. Desenvolve-se em progressão com momentos mágicos proporcionados pelas incursões do órgão, da flauta e da percussão. Aqui a emoção começa tomar conta do corpo físico.

VISIONS OF ANGELS
Essa começa com o piano que já anuncia uma música mais leve. O trabalho vocal mostra-se calmo e melodioso, bem apropriado ao assunto da letra . A concepção instrumental é bela, totalmente lírica. Destacando-se o piano e o trabalho dedilhado de guitarras. Termina de forma épica com um coro vozes e um bonito solo de bateria. Vou falar por mim, nessa altura do disco eu já estou arrepiado e imóvel.


STAGNATION
Essa música chama muito a atenção, pois é ao mesmo tempo calma, agressiva, lírica e prosaica. Começa com um vocal bem calmo e os instrumentos evoluindo em um clima de mistério e melancolia. A letra, eu acho, está falando sobre os sobreviventes de um holocausto ou coisa parecida, muito sombria. Aqui o teclado, soberbo, comanda as ações. Acho a bateria linda também. O Gabriel conta essa história com fala, lirismo, falsetes e agressividade. É uma música muito difícil de ser decifrada, pelo menos para mim. Um clássico!

DUSKA única faixa onde há um resquício do trabalho anterior do Genesis, talvez por ela já estar pronta quando da realização deste trabalho. É uma canção de melodia bela, cativante, com letra melancólica, mas de certa maneira positiva. Trabalho dedilhado de violões, ótima contribuição da flauta com vocais cuidadosos e harmônicos. Adoro a combinação de vozes. Mais uma que eleva o meu espírito!

THE KNIFE
Se o disco começou bem termina simplesmente de forma estupenda, com um clássico absoluto. Tudo nessa música é espetacular. A letra remete a um campo de batalha onde um general incentiva seus soldados para a guerra. Bateria, vocal, flauta, teclado e guitarras ( Anthony Phillips demonstrando que sabe chamar o instrumento quando necessário) estão de acordo com o tema da música, totalmente agressivos. Aqui, quero fazer um comentário especial sobre o baixo do Rutherford, totalmente marcado e alto, fantástico, destacando-se com autoridade. Lá pelas tantas ouve-se o som de uma batalha com berros. Nesse momento minha adrenalina vai a mil e minha cabeça quase explode de excitação! O final é triunfante, todos os instrumentos se unem e o Peter Gabriel grita:

Some of you are going to die,
martyrs of course to the freedom that I shall provide.
Aí é brincadeira!!!!

Um abraço a todos! JORGE ALENCAR