quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

DIPLOMACIA ENVIESADA


Diplomacia enviesada Quando Ricardo Berzoini, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) comparou a ação de Israel na Faixa de Gaza ao nazismo, estava exercendo seu inalienável direito de dizer idiotices. Já Marco Aurélio Garcia, o destemperado assessor especial da Presidência da República, quando declarou, referindo-se ao conflito na Faixa de Gaza, que “Israel faz terrorismo de Estado”, ainda que estivesse exprimindo uma opinião pessoal, falou em nome do governo brasileiro. Simplesmente porque um auxiliar presidencial da sua importância não deve, nem pode, dissociar suas palavras ditas em público da imagem do Estado. Foi essa verdade que o chanceler brasileiro Celso Amorim omitiu à sua colega Tzipi Livni, em Israel, quando ela o questionou a respeito da infeliz declaração do chefe da agremiação petista: “esta não é a opinião oficial do governo brasileiro”. Mas, pensando bem, foi uma sorte a chanceler israelense não ter feito a pergunta certa porque, do contrário, Amorim não teria podido dar aquela desculpa. Ideologicamente enviesada, a diplomacia do governo Lula é uma sucessão de erros e fracassos cuja descrição não caberia no espaço deste artigo. Quando o Brasil, frente ao calote de US$ 230 milhões no Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) anunciado pelo presidente Rafael Correa - que, afinal, não se consumaria-, finalmente, deu uma resposta dura ao Equador, parecia que os responsáveis por nossa política externa haviam, como se diz, caído na real.Fatos posteriores, todavia, viriam a dar razão aos céticos. Bastou a crise econômica arrefecer o consumo de gás natural no Brasil para a Bolívia, de quem o País importava 30 milhões de metros cúbicos diários, voltar à carga contra os interesses brasileiros. O Ministério das Minas e Energia havia anunciado a redução das compras brasileiras de gás boliviano para 19 milhões de m³, com uma diminuição de gastos de US$ 600 milhões até abril deste ano. Ato contínuo, uma missão boliviana veio pedir, e levou, um corte mais modesto, de apenas 6 milhões de m³, o que reduziria de US$ 600 milhões para US$ 330 milhões a economia do Brasil. A questão, todavia, é mais complexa: O Brasil tem um contrato com a Bolívia, denominado tecnicamente "Take or Pay", que define uma compra mínima de 24 milhões de m³ diários por ano, na média. Se a média ficar abaixo disso, paga-se o equivalente ao volume contratado; se ficar acima, o Brasil arca com a diferença a maior, isto é, além dos 24 milhões de m³ por dia. Ora, se o País importa mais do que necessita em época de vacas magras, a manobra aumenta desnecessariamente a média. Um acréscimo no consumo futuro, não necessariamente ligado à melhora da crise, mas aos níveis dos reservatórios das represas, fará o Brasil pagar mais do que deveria. Porque o acerto seria feito no final do ano, quando se obtém a média do consumo. No mínimo, adiantamos dinheiro à Bolívia, sem custo financeiro. Os artífices desta ação, que poderá custar milhões à sociedade, foram o secretário Marco Aurélio Garcia e o secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães. O próximo capítulo da empreitada contra os interesses brasileiros já está designado e deverá envolver a usina de Itaipu, pertencente ao Brasil e ao Paraguai, que almeja uma revisão do Tratado de Itaipu, a fim de “rever” o montante da sua dívida e, de quebra, aumentar os preços da energia elétrica estabelecidos em contrato. O Movimento dos Sem-Terra (MST), cooptado pelo governo paraguaio, irá defender bravamente a soberania alheia contra os “latifundiários” brasileiros que lá se estabeleceram. Com diplomatas como Guimarães, Amorim e o embaixador informal Garcia, e um movimento carbonário e antipatriótico como o MST, o Brasil prescinde de adversários externos.
Luiz Leitãoluizmleitao@gmail.com

Um comentário:

Luiz Leitão disse...

Everi,

Legal, gostei da fotomontagem com Lula. Araçatuba, bela cidade, bem populosa, dinâmica.

Legal o nome do site, Telescópio Negro.

Obrigado, um abraço.