sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

MÁRCIA SANCHEZ LUZ


LUA NEGRA
Amo demais que até ferida brota
na cálida, escondida lua negra
dos meus delírios (dor que desintegra
calma desnuda em chuva de gaivota).

Os olhos choram mares, geram grotas,
fabricam densa nuvem que se integra
ao corpo equivocado pela entrega
sofrida num adeus desfeito em gotas.

Amo demais, eu sei, mas o que faço
se de outro jeito não conheço o amor?
A minha sina é nunca combater

o que me atrai e gera descompasso.
Se por um lado existe o dissabor,
tenho da vida a flor que vi nascer.

© Márcia Sanchez Luz

2 comentários:

Talma disse...

Quanta verdade
quanto pranto
quanta dor!
Mas se é o que sustenta
o que mantém
o que faz brotar a flor...
então amor, vem!




Márcia que lindos versos os seus !!!!

Márcia Sanchez Luz disse...

Talma, obrigada pelo carinho de suas palavras, que tanto me fazem feliz!

Um beijo em seu coração,

Márcia